POL√ćTICA

Gleisi diz que é "estarrecedor" Bolsonaro convocar ato em defesa do estado democrático de direito: "Chefe terrorista"

Por sou curitiba

15/02/2024 às 11:14:27 - Atualizado h√°
Foto: Lula Marques/Agência Brasil

Nesta quinta-feira (15/02), a presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann (PR), disse ser "estarrecedor" que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) queira convocar um ato em defesa da democracia.

De acordo com a petista, ele "nunca respeitou" e tentou "abolir" o regime democr√°tica em uma suposta tentativa "fracassada" de golpe de Estado.

Bolsonaro convidou seus apoiadores para um ato em defesa da democracia no dia 25 de fevereiro, o √ļltimo domingo do m√™s, às 15 horas na Avenida Paulista, em São Paulo, para se defender de "todas as acusações" que t√™m sofrido nos √ļltimos meses.

Confira a declaração completa da presidente do PT:

"É estarrecedor ver Bolsonaro convocar um ato "em defesa do estado democr√°tico de direito" que ele nunca respeitou e tentou abolir em sua fracassada tentativa de golpe! E é chocante ver a m√≠dia normalizar esse chamado e o próprio ato, tratando como coisa normal. Sem conotação cr√≠tica.

Direito de defesa deve ser garantido a todos; e Bolsonaro ter√° oportunidade de exerc√™-lo, em condições que foram negadas a outros na história recente. Mas não h√° nada de normal quando a democracia e liberdade de expressão são invocadas pela boca de quem quis destru√≠-las, de quem atentou contra esse mesmo Estado Democr√°tico de Direito que agora invoca.

Vamos lembrar quem é Bolsonaro:

. Sempre defendeu a ditadura, a tortura e os torturadores;

. Seu primeiro ato na presid√™ncia extinguiu os mecanismos de participação social nas pol√≠ticas p√ļblicas;

. Seus primeiros decretos visaram a armar, municiar e incentivar bandos fascistas e de milicianos;

. Montou um gabinete do ódio no Planalto para disseminar mentiras e ameaças contra todo e qualquer advers√°rio;

. Montou uma Abin Paralela para espionar advers√°rios e até ministros de Tribunais Superiores;

. Usou o Sete de Setembro para ameaçar as instituições e ofender ministros do Supremo;

. Ameaçou fechar o STF ("basta um cabo e um soldado", na voz de um de seus filhos e c√ļmplices);

. Convocou desfile de tropas em Bras√≠lia para intimidar a Câmara no dia da votação do projeto do voto impresso;

. Tentou desacreditar o sistema eleitoral, inclusive diante do corpo diplom√°tico, atacando a urna eletrônica;

. Faltando tr√™s meses para as eleições presidenciais, com pesquisas prevendo sua derrota, reuniu o ministério para cobrar ação contra o advers√°rio, a Justiça Eleitoral e o STF;

. Na mesma reunião, tratou de espionagem de campanhas, "virada de mesa" e medidas para impedir a eleição de Lula;

. Derrotado nas urnas, não reconheceu a vitória do advers√°rio nem a legitimidade do processo eleitoral; tentou de todas as formas encontrar fraudes inexistentes;

. Incentivou ocupações de rodovias e acampamentos diante de quartéis, financiados clandestinamente e tolerados por comandantes militares; de onde partiram a baderna de 12 de dezembro, dia da diplomação de Lula, e o atentado a bomba contra o aeroporto de Bras√≠lia na véspera do Natal;

. Preparou um decreto ilegal de estado de s√≠tio, prevendo a prisão do presidente do TSE, que manteve sob monitoramento clandestino, e a anulação das eleições;

. Conspirou com chefes militares e comandantes de tropas especiais na preparação de um golpe para impedir a posse de Lula e manter-se no poder;

. Fugiu do pa√≠s, levando joias roubadas ao patrimônio p√ļblico, e assistiu de camarote os atentados de 8 de janeiro, financiados organizados por seus apoiadores civis e militares.

É esse chefe terrorista que agora invoca, em seu exclusivo benef√≠cio, o estado de direito e a liberdade de expressão e manifestação que tentou, reiteradas vezes, destruir. É esse fascista que agora quer vestir o manto da democracia para mais uma vez atac√°-la.

Esse ato na Paulista não ser√°, certamente, para que ele se defenda dos crimes que praticou, e nem pode ser visto como liberdade de expressão. É mais uma tentativa de se contrapor ao devido processo legal, j√° que as provas contra ele e sua turma não param de aparecer. Ser√° para seguir ameaçando as instituições e os advers√°rios, que ele trata de inimigos. Ser√° para mentir ainda mais sobre suas próprias mentiras.

Nem Bolsonaro nem sua absurda convocação podem ser normalizados pela cobertura da m√≠dia, sob o risco de normalizar a mentira, o desrespeito à lei e às instituições, a barb√°rie. Não h√° legitimidade nesse ato. Ele é contra a Constituição! O Brasil superou recentemente uma tentativa de golpe e sabemos bem o risco que corremos. Não podemos flertar com o perigo".



entreparagrafos

















Fonte: Gazeta Brasil
Comunicar erro
Sou Curitiba

© 2024 - Sou Curitiba - O portal de notícias que mostra o outro lado da política. Informação na palma da mão!
Todos os direitos reservados - Proibida a cópia integral ou parcial do conteúdo sem autorização.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Sou Curitiba