POL√ćTICA

Deputados apontam ligação do PCC com escola de samba que levou ministro de Lula ao sambódromo e retratou a PM como demônios

Por sou curitiba

13/02/2024 às 15:37:37 - Atualizado h√°
Foto: Reprodução/Instagram

O deputado federal Capitão Augusto e a deputada estadual Dani Alonso, do PL de São Paulo, reagiram ao desfile da escola de samba Vai-Vai que exaltou ato de depredação da est√°tua do bandeirante Borba Gato e ainda representou a Polícia Militar de São Paulo como um "esquadrão de demônios".

Os parlamentares enviaram ofícios ao governador Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos), e ao prefeito da capital, Ricardo Nunes (MDB), pedindo a suspensão de recursos públicos à escola de samba.

Os deputados ainda denunciam suposto envolvimento da escola com o crime organizado. "A situação é ainda mais agravada pelas revelações de possíveis ligações entre a referida escola de samba e organizações criminosas, incluindo a facção PCC", escreveram.

E completaram: "estas associações são extremamente preocupantes, pois sugerem uma tentativa de minar a confiança pública nas instituições respons√°veis pela segurança e ordem pública, além de possivelmente ameaçar a integridade do carnaval como espaço de expressão cultural livre de influ√™ncias nefastas".

Tramita sob sigilo na Justiça de São Paulo um processo que investiga a suposta ligação da Vai-Vai com o PCC. Um dos investigados é o ex-diretor financeiro e atual conselheiro da agremiação, Luiz Roberto Marcondes Machado de Barroso, conhecido como Beto da Bela Vista.

Nas redes sociais, os deputados também criticaram o enredo escolhido pela escola de samba:

Os requerimentos dos parlamentares citam o esc√Ęndalo que envolve a Vai-Vai e a facção criminosa e solicitam que a escola de samba "seja proibida de receber qualquer forma de recurso público no próximo ano fiscal, como forma de sanção pela conduta irrespons√°vel e ofensiva demonstrada".

Para os requerentes, a medida seria um "claro sinal de que ofensas contra as instituições e profissionais de segurança não serão toleradas em nosso Estado".

O documento também pede a revisão dos critérios para a concessão de apoio financeiros a entidades e eventos, "assegurando que estes não estejam de forma alguma associados a atividades criminosas ou que promovam mensagens de ódio e desrespeito contra quaisquer grupos ou instituições".


entreparagrafos






















Fonte: Di√°rio do Poder
Comunicar erro
Sou Curitiba

© 2024 - Sou Curitiba - O portal de notícias que mostra o outro lado da política. Informação na palma da mão!
Todos os direitos reservados - Proibida a cópia integral ou parcial do conteúdo sem autorização.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Sou Curitiba